valor da arroba segue em queda, com criadores retraídos, diz Safras

O mercado físico de boi gordo registrou preços mais baixos nesta quinta-feira, 28, estendendo as perdas da semana. Segundo o analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o ambiente de negócios pouco mudou, com os frigoríficos mantendo a pressão sobre os criadores.

Mesmo em patamares mais baixos de preços, o que retrai os pecuaristas, não há relatos de dificuldade na composição das escalas de abate por parte dos frigoríficos. Os pecuaristas seguem sem boas condições de retenção de oferta, avaliando o elevado custo de nutrição animal em 2021. “Somado a isso, precisa ser citada a incidência de chuvas no Centro-Sul, que torna o manejo ainda mais complicado”, destacou.

Em relação à China, poucas novidades no decorrer da quinta-feira. O Brasil segue em compasso de espera, aguardando a retomada do principal mercado para a carne bovina brasileira. “Os prejuízos são enormes para a atividade. Pecuaristas e frigoríficos trabalham no momento para minimizar os danos causados pelo embargo”, assinalou Iglesias.

Com isso, em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 258 na modalidade à prazo, ante R$ 262 a arroba na quarta-feira. Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 242, contra R$ 243. Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 262, ante R$ 263,00. Em Cuiabá, o preço foi de R$ 242, contra R$ 246. Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 249, ante R$ 251.

Atacado

Os preços da carne bovina no atacado também estão caindo. O analista da Safras acredita que haverá pouco espaço para reação mesmo na primeira quinzena de novembro, consequência do avanço da oferta. Os frigoríficos seguem com câmaras frias lotadas, aguardando pela retomada da China.

Assim, o quarto traseiro foi precificado a R$ 20,40 por quilo, queda de R$ 0,10. O quarto dianteiro manteve preço de R$ 13,30 por quilo, e a ponta de agulha seguiu no patamar de R$ 13,00 por quilo.

LEIA MATÉRIA ORIGINAL

Leia Mais

Relacionadas