Sem trava dos custos, confinador perdeu rentabilidade, diz Scot

Durante mais uma edição do Confina Brasil, a Scot Consultoria apresentou algumas características da atividade de confinamento no país. Segundo Felipe Dahas, coordenador do Confina Brasil, o que mais chamou a atenção durante a expedição foi o dinamismo observado em diversas regiões com esse modelo de terminação.

Em entrevista ao Canal Rural, Dahas também falou sobre o momento de alta nos custos para o confinador. Diante da alta dos insumos, ele ressalta que esse foi um dos anos mais desafiadores para os pecuaristas.

“O confinador que não se planejou, não fez trava dos insumos, comprou matéria-prima cara e vendeu produto barato no mercado. A lição que fica para o próximo ano é se planejar com o máximo de antecedência”, diz.

Ainda na avaliação de Felipe Dahas, mesmo com as margens pressionadas, a atividade de confinamento não irá perder força no país. “Nas propriedades que nós visitamos, constatamos que haverá uma alta de 20% no confinamento”, destaca.

 

LEIA MATÉRIA ORIGINAL

Leia Mais

Relacionadas