Saiba o que pode acontecer com a fortuna de Marília Mendonça e seu patrimônio

Goiânia – Depois de entrar para a memória como uma das cantoras mais bem sucedidas da atual geração da música sertaneja brasileira, Marília Mendonça, que morreu aos 26 anos, deve ter sua herança discutida por meio de inventário na Justiça de Goiás. A família dela ainda não divulgou se ela deixou algum testamento registrado.

Filho de Marília Mendonça com o cantor Murilo Huff, o menino Léo, que vai completar 2 anos no dia 16 de dezembro, é o herdeiro natural de toda a herança da cantora. Ela morreu, no último dia 5 de novembro, em queda de aeronave, em Piedade de Caratinga (MG), com mais quatro pessoas. Huff não era casado com a cantora, que recebeu várias homenagens após sua morte.

Léo está sob os cuidados do pai e da avó materna, Ruth Moreira, em guarda compartilhada. No entanto, se não prevalecer oficialmente essa medida, resultado de comum acordo entre os dois, uma batalha judicial pela guarda do menino pode começar a ser travada nos próximos meses. Isso poderia ocorrer justamente porque quem ficar com a criação da criança é quem administrará a fortuna até a maioridade dela.

Fortuna

Marília não parou de faturar com suas composições, sempre muito tocadas nas principais plataformas de streaming e, por isso, seu patrimônio não parava de crescer. Estima-se que o faturamento mensal da cantora girava em torno de R$ 10 milhões e que a fortuna dela chegaria a R$ 500 milhões neste final de ano.

Ela acumulava dinheiro principalmente com shows, lives (durante a pandemia), royalties e produtos. Mas há informação de que ela possuiria bens como imóveis (urbanos e até rurais) e veículos. Mas não se sabe, de fato, a amplitude de seus investimentos.

“Marília Mendonça só tem um herdeiro, o filho dela”, explica a advogada Ludmila Torres, ex-presidente da Comissão de Direito de Família da Ordem dos Advogados do Brasil em Goiás (OAB-GO). “Neste caso, o filho herda tudo segundo o direito brasileiro”, reforça o advogado Márcio Lima.

Como o menino ainda é criança, que tem os direitos resguardados por lei, a Justiça deverá definir o gestor do patrimônio até que o filho dela complete 18 anos de idade, para atingir a maioridade e definir, por conta própria, como usará a herança recebida.

“O pai da criança, naturalmente, seria o gestor do patrimônio dela. É claro que nada impede de o filho ficar sob os cuidados da avó, que, em consenso com o cantor, poderá fazer compartilhamento de gestão do patrimônio, a não ser que apareça um testamento”, acrescenta Ludmila.

Leia Mais

Relacionadas